terça-feira, 5 de novembro de 2013

Tupina quê?! Tupinambo, pois claro

Regressou à MIOSÓTIS o tupinambo: rizoma delicioso crú ou cozinhado! E cheio de propriedades como por exemplo a de ser indicado para diabéticos. Cultivado cá, com o apoio e incentivo da MIOSÓTIS. O tupinambo merece ser experimentado... Aqui vai a informação retirada do livro "Os alimentos vegetais" de Jean-Claude Rodet (ed. Gradiva)

Topinambo / topinambour
(Helianthus tuberosus)
Jerusalem artichoke / topinambur
O topinambo também é conhecido por alcachofra do Canadá ou de Jerusalém ou ainda girassol batateiro.
O topinambo é uma planta hortícola talvez originária do Brasil. Foi importado para a Europa, pensa-se que no ano 1625, e Champlain descobriu-o no Canadá nas mãos dos Índios (Hurons, Algônquicos). Os tubérculos de topinambo têm bossas e são semelhantes ao gengibre.
O topinambo é um legume de Inverno geralmente de produções locais.

Qualidades alimentares e virtudes terapêuticas
Este hidrato de carbono, cuja fórmula lembra a da farinha de trigo e a da fécula de batata, diferencia-se destes amidos mais complexos pela sua maior facilidade de hidrólise dos glícidos. As diastases entéricas do grupo da inulase, parentes próximas das amilases, fixam rapidamente a água com o propósito de fornecerem directamente um pouco de glicose e sobretudo de levulose que facilita o funcionamento dos rins sobrecarregados dos diabéticos.
Energético, desinfectante, galactogénico. É ligeiramente laxante (7 a 8% de fibras) e contém mucilagens.
O topinambo é uma excelente fonte de potássio (K), de ferro (Fe), de fósforo (P), de cobre (Cu), de magnésio (Mg) e de zinco (Zn), contém ainda vitaminas A, B e C.
Favorece todos os metabolismos celulares.
Estados e problemas de saúde que podem melhorar com a utilização do topinambo
Diabetes: o topinambo é precioso para os diabéticos pelo seu teor em inulina (polímero da frutose) que se encontra igualmente na alcachofra, na chicória, no salsifi.
Insuficiência pancreática. Gota.
Reumatismo.
Obstipação.
Aleitamento: favorece a produção de leite para quem está a amamentar.
Escorbuto. Problemas renais.
Modo de consumo
Assado nas brasas, no forno ou estufado, em gratinados com noz moscada, ou reduzido a puré.
A cozedura com água pode provocar flatulência.
Cru como entrada, ralado como as cenouras.
Deve escovar-se minuciosamente antes da preparação culinária.
Deve ser consumido assim que estiver maduro (inulina bem formada) senão pode dar lugar a digestões difíceis e fermentações intestinais (juntar umas folhas de salva para evitar as flatulências).
É um bom acompanhamento para as aves e os peixes.
O seu sabor doce combina bem com legumes como o alho, a cebola, as chalotas.
O seu gosto lembra o da alcachofra.
Conservação
O topinambo desidrata-se muito facilmente. O ideal é colhê-lo à medida das necessidades.
Guardado no frigorífico, por lavar, pode conservar-se duas semanas.
Enterrado em areia, conserva-se facilmente cerca de dez a doze semanas.
Conselhos:
  • escovar minuciosamente antes de usar
  • juntar folhas de salva na água de cozer (ou algas ou ½ c. sopa de bicarbonato de sódio) para evitar flatulências
  • desidrata-se facilmente pelo que se deve colher à medida das necessidades
  • cozinhar de preferência no vapor ou estufado
  • no caso de serem descascado, colocar logo em água com limão para evitar a oxidação

1 comentário:

Swenne Henriet disse...

Gostaria comprar rizomes de tupinambo. Onde posso fazer isso? Obrigada.